Translate

sábado, 13 de dezembro de 2014

Homenagem aos que tombaram na America Latina

«Ninguem pode ser torturado pela forma como pensa...nunca mais! Ninguém repara as mortes daqueles que temos vindo a reclamar !!»
 
Esta a ideia expressa no mural " Gritos de Memória" do artista Pavel Égüez, que faz uma crítica reflexiva sobre as violações dos Direitos Humanos e os Crimes de lesa humanidade, quer no Ecuador quer em toda a América Latina.
Mural de Homenagem às vitimas dos regimes de direita na America Latina
"O recordatório aqui plasmado é uma maneira de manter viva a memória, de todas essas situações e em homenagem aos que tombaram nas lutas por um mundo mais justo e pelos direitos humanos. Jamais os poderemos esquecer", diria o artista ecuatoriano no ato de inauguração deste magno "Monumento" aos muitos lutadores pela democracia, nos seus países, e pelo respeito pelos  direitos humanos, em toda a América Latina.
 
Este magno mural, público e permanente, foi desenvolvido na fachada da "Fiscalía General del Estado" no Ecuador, recém-inauguado na presença das mais diferentes individualidades locais e nacionais e tambem de familiares de vitimas das diferentes atrocidades, perpetradas por antigos regimes ditatoriais, quer no Ecuador quer nos diferentes países da America Latina.
 
«O nosso compromisso é com a memória e nunca esqueceremos os que morreram, foram torturados, desapareceram. Mas é igulamente o compromisso de criar um lugar de futuro e de Paz, na America Latina», assumiria em seu nome e dos presentes Natasha Reyes, filha do activista de esquerda Milton Reyes,  torturado e assassinado no ano de 1970, no Ecuador.