Translate

segunda-feira, 14 de julho de 2014

En(cantos) do Minho e Galiza

A Galiza e os en(cantos) deste cenário que tem o rio Minho por pano de fundo estarão em evidência por estes dias num evento que se afirma a cada edição que se realiza...

Ponte da Barca brilha com suas cores e sons de outras paragens neste quase final do mês de julho. A animação é uma constante tendo a Praça Terras da Nóbrega | Ponte da Barca muito por "culpa" da 7ª Edição do Festival Folk Celta.

Organizado pela Câmara Municipal de Ponte da Barca, o Festival Folk Celta, desenvolve-se na frescas margens do Rio Lima e do seu afluente Vade e que melhor cenário, poderia haver para as expressões, sons, culturas que se apresentam em palco (não um mas dois palcos) a 25 e 26 de julho.

E com os bons ventos da Galiza chegam-nos os "Milladoiro" e com um repertório de mais de duas décadas que são o tempo de carreira destes veteranos da música com sotaque gallego mas efectivamente entendida em todo o mundo.

E em galego nos entendemos com os "Isga Collective que trazem para este concerto a participação especial da galega Lorena Freixeiro" e ainda como grande figura do cartaz de 26 de julho Kepa Junkera, mestre da Trikitixa e vencedor do Grammy Latino para melhor álbum folk em 2004 e que temn no seu mais recente album uma magna e colorida homenagem à Galiza.

Que viva a Música e Ponte da Barca!

"Milladoiro" dia 25 de julho
Kepa Junkera dia 26 de julho

7º Festival Folk Celta de Ponte da Barca

terça-feira, 8 de julho de 2014

(re) decobrir as Américas no palco do FMM

(Re) descobrir as Américas é o que nos prporciona o FMM nesta sua edição com música e bandas vindas da Colômbia, Argentina, México Haiti e Trinidad a provar isso mesmo que este e um "mundo" colorido e pleno de ritmos que nos enchem o imaginário e os dias em Sines.

Meridian Brothers, de Bogotá para o FMM
O Festival Músicas do Mundo volta a ser o maior palco de expressão latina em portugal , tal a quantidade e qualidade dos "cantautores" e bandas que navegam por estes mares vicentinos. E como diz a organização a Colômbia apresenta-se maioritariamente neste evento que nos ajuda a descobrir outros ritmos, cores e influências. E porquê o peso da Colômbia no FMM na presente edição poder-se-à perguntar. Primeiro por uma questão de continuidade, pois abertas que foram as portas aos "Bomba Estéreo" na edição anterior a ponte foi estabelecida com essa faceta das Americas ...Ah mas acrescente-se que a Colômbia e um dos mercados musicais mais dinâmicos do momento e daí que nomes como Cimarrón, expoente da música “llanera” e os psicadélicos Meridian Brothers. subam ao palco em Sines.

Cimarrón e o son Joropo da Colômbia
Dizer de CIMARRÓN que foi recentemente considerado grupo "revelación" no Festival de Rio Loco en Toulouse, facto que curiosamnete ocuparia as primeiras páginas dos diarios da cidade. Confirmação e sucesso em portugal é o que se espera de "El Viaje del Joropo" neste Tour 2014 que tem encontro  marcado com Sines a 20 de julho...


Mas há mais, muito mais para descobrir neste magno território onde o futebol é referência é verdade mas igualmente a música. Falamos é claro da Argentina de onde nos chega La Yegros e Anthony Joseph.vindo de Trinidad. Do México ouviremos o projeto de fusão de rock com poesia índia Arreola+Carballo. O saxofonista Colin Stetson, americano radicado no Canadá, e a cantautora Mélissa Laveaux, canadiana de ascendência haitiana, completam a lista de artistas das Américas.

FMM -  Festival Musicas do Mundo  de 18 a 26 de julho em Sines

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Celtas, os povoadores de territórios musicais

"Celtas Cortos" é uma popular banda de Castiila y Leon e têm encontro marcado com o público, no mais mais popular dos festivais realizados em terras transmontanas- o Festival Intercéltico de Sendim.
Habituados a um cruzar de realidades e vivências, que tão bem se podem traduzir por música, diversos protagonistas sobem ao palco naquela que é ja a 15ª edição de um encontro cultural que ganhou fama e aprofunda ligações, partilha saberes e sabores deste território, que em tempos chegou a ter uma linha de fronteira...

E da história do festival passamos à vida dos «Celtas Cortos» cuja origem remonta a 1984, altura em que uma boa parte do grupo integrava o colectivo de música do Instituto Delicias de Valladolid. Das suas aventuras musicais conta-se um concurso organizado por una discoteca da cidade, várias eliminatorias passadas com êxito até à final e um prémio que em pesetas contava muitos zeros - 100.000 pts mas coisa pouca em euros (600 €). Na realidade o popular tabaco sem filtro da época dava nome aos "Celtas"que haveriam dois anos depois de se apresentar em crescendo até à gravação do primeiro disco de vinil, com o apoio da  Junta de Castilla y León, graças à classificação cimeira num concurso por esta organizado.
“Así es como suena” foi o disco zero e cartaz levado de editora em editora até que os estudios Trak em Madrid se abrem e o sonho se vai tornando realidade para os Celtas Cortos. O primeiro disco íntegramente instrumental seria um ponto alto na carreira desta banda espanhola, a que se seguiram muitos outros, bem como as apresentações dentro e fora dos limites geográficos da sua Castilla y Leon. Chega agora a vez de  escuchar e dançar ao ritmo destes "Celtas" que vêm povoar os ares de Sendim com os olhos postos nel duero e Miranda...  
 
15º Festival intercéltico de Sendim
«Celtas Cortos» (Castilla y Leon) - 2 de agosto